DIARIO DA ILHA: Inaugurado o museu da maconha.

.

.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Inaugurado o museu da maconha.

Montevidéu inaugura o primeiro espaço dedicado à erva na América do Sul
Além de buscar atenuar o preconceito contra o uso, o museu tem como objetivo mostrar as diferentes finalidades da maconha

No fundo do Museu del Cannabis Montevideo, localizado a cinco quadras do Rio da Prata, uma foto mostra um casal de idosos a sorrir sobre duas mudas da erva. Os retratados são os escritores Daniel Vidart e Alicia Castilla. Ele, um antropólogo uruguaio de 96 anos, amigo e conselheiro do ex-presidente Pepe Mujica. Ela, uma terapeuta argentina 25 anos mais nova, autora do best seller Cultura Cannabis. Em 31 de janeiro de 2011, Castilla regava suas plantas no quintal de sua casa em Montevidéu quando foi detida e levada a uma delegacia. Acusada de produzir substâncias entorpecentes, ficou presa durante 95 dias. Instada por uma denúncia anônima, a polícia encontrara na residência 29 pés de maconha. Na cadeia, Castilla ganhou o apelido de “vovó das plantas”. Acabaria absolvida em abril do ano passado, quase três anos após o Uruguai legalizar a produção e venda de maconha.
Depois da prisão, Alicia Castilla ficou conhecida como 'vovó das plantas' (Fernão Ketelhuth)

“A foto de Alicia está aqui para nos lembrar de que não podemos permitir a repetição desse erro terrível. É também uma forma de nos desculparmos, como uruguaios, pela barbaridade cometida contra uma inofensiva senhora”, esclarece o ativista cultural Pincho Casanova, um dos coordenadores do museu. O Cannabis Montevideo é o primeiro do gênero na América do Sul. Inaugurado em dezembro, ocupa um imóvel de dois andares onde, no passado, funcionaram um cinema pornô e a sede do clube de futebol Mar de Fondo. Reúne objetos, medicamentos e produtos relacionados à erva. Entre as peças, uma guitarra feita de fibras de cânhamo e um fet­tuccine verde sem efeitos alucinógenos. Uma biblioteca reúne extensa coleção de livros especializados e revistas científicas. Na área interna, monitores apresentam de forma simples a história da maconha e a evolução das liberdades individuais no Uruguai. Parte do acervo foi cedida pelo Hash Marihuana & Hemp Museum de Amsterdã, na Holanda. Casanova gosta, em particular, de um painel que compara a trajetória da maconha àquela da erva-mate, proibida em países da América do Sul durante o século XVI por causa de suas supostas propriedades demoníacas. “A cannabis é utilizada pelo ser humano há pelo menos 10 mil anos, com diversos benefícios. Esperamos que o museu atenue o preconceito.” Um cheiro de cerveja espalha-se pelo ambiente quando um trio de brasileiros entra na sala. Oriundos de Porto Alegre, eles sorriem de orelha a orelha, exceto quando escutam a má notícia. “Lamento, amigos, mas a gente não vende maconha”, informa, educadamente, o engenheiro agrônomo Eduardo Blasina, diretor e idealizador do museu.
Blasina (camisa azul), diretor do museu, fumou pela primeira vez em Niterói. 'O Brasil', afirma, 'simbolizava pra mim a possibilidade de ser livre' (Fernão Ketelhuth)
Blasina tem 52 anos, olhos pequenos e estilo jovial, a despeito dos cabelos grisalhos. Era adulto quando fumou maconha pela primeira vez. Aconteceu no fim da década de 1980, em uma praia de Niterói, onde passava férias com amigos. Não demorou a se tornar um entusiasta da descriminalização da erva. A militância e o conhecimento adquirido sobre o assunto por meio de estudos e viagens, algumas “psíquicas”, conferiram-lhe notoriedade. A convite do governo, participou do debate que resultou na Lei nº 19.172, responsável pela regulamentação de todas as etapas do processo produtivo da cannabis no país. Blasina é sócio de uma das duas empresas escolhidas, mediante licitação, para cultivar a erva a ser comercializada, futuramente, nas farmácias uruguaias. Ele considera a legalização uma decisão inteligente, também, sob o viés econômico. “O que é melhor, regular a produção e o consumo, gerando um dinheiro que pode ser investido em educação e saúde, ou deixar tudo sob controle dos traficantes?” São dois os objetivos do museu, explica o diretor. O primeiro é mostrar as múltiplas facetas da maconha e dissociá-la do uso meramente recreativo. O canabidiol, substância encontrada na cannabis, é eficaz, entre outros, no tratamento da epilepsia. O cânhamo pode ser aproveitado como material de construção. Substitui o concreto em obras com preocupação ecológica.
Parte do acervo foi cedida pela holandês Hash Marihuana & Hemp Museum (Fernão Ketelhuth)
A outra finalidade é consolidar e defender a liberdade conquistada com a nova legislação. Blasina tem receio de que o Uruguai percorra um caminho similar ao de seu maior vizinho e veja-se igualmente inundado por uma onda de conservadorismo. “Quando era jovem, o Brasil simbolizava, para mim, a possibilidade de ser livre. Não me esqueço do bons momentos nas praias do Rio de Janeiro ou nos shows de rock no Circo Voador. Lamento que aquele paraíso de liberdade não exista mais”, queixa-se. “No Uruguai, assim como no Brasil, há uma bancada fundamentalista emergente, que trabalha para revogar a regulamentação da maconha. Temos de estar atentos para impedir um eventual recuo. É urgente informar sobre as propriedades da cannabis, mostrar seus benefícios. Nesse sentido, o museu é um marco importante.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário