DIARIO DA ILHA: VÍDEO: Jesus Norberto Gomes criador do Guaraná Jesus era ateu.

.

.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

VÍDEO: Jesus Norberto Gomes criador do Guaraná Jesus era ateu.

Conheça a história do Guaraná Jesus, o refrigerante do Maranhão que já bateu até a Coca-Cola
Sucesso no Maranhão, o refrigerante cor-de-rosa hoje pertence a Coca-Cola. Por ironia, apesar de ter o mesmo nome do filho de Deus, o Jesus foi criado por um ateu de nome Jesus Norberto Gomes que nasceu em Vitória do Mearim, interior do Maranhão, no dia 06 de junho de 1891, tornando-se o caçula, dentre oito filhos, de um comerciante e de uma doméstica. Aos 14 anos, após perder o pai, se mudou para São Luís onde residiu na casa de amigos de sua mãe. O seu primeiro emprego foi na farmácia do Doutor César Augusto Marques, situado na Praça João Lisboa. Inteligente e astuto, na Fármacia Marques, aprendeu em pouco tempo as receitas e logo subiu de categoria. Aos 20 anos comprou a Farmácia Galvão e a transformou na Pharmácia Sanitária. A partir desse momento, começou a fabricar o injetável contra a gripe intramuscular “Gomegaya Jesus”, antigripal Jesus, peitoral Jesus e Jesulina (pasta dentifrícia). Com o passar dos tempos, criou uma seção de águas gasosas e refrigerantes, iniciando as pesquisas para produzi-los. Então, surge o primeiro produto GUARANÁ JESUS, que possuía leve sabor amargo e não agradou a maioria dos degustadores. Obstinado, continuou as experiências, logo chegando à fórmula da Kola Guaraná Jesus, muito bem aceita pela cor e pelo sabor. Jesus Gomes faleceu em São Luís no dia 28 de abril de 1963.
Ingredientes do Guaraná Jesus: Extrato de Guaraná, Cafeína, Teofilina (substância estimulante do sistema nervoso), Teobromina (alcalóide primário achado no cacau e chocolate), Cravo, Canela, Gás Carbônico, Água, Açúcar
“Me vê um Jesus aí”. É essa forma que os maranhenses pedem a bebida cor-de-rosa, de sabor adocicado, tão típica quanto a cultura do bumba-meu-boi no Maranhão. Em qualquer época do ano (até mesmo no Natal), no estado nordestino o primeiro significado da palavra Jesus é um refrigerante. A brincadeira reflete um fenômeno que começou local e se tornou famoso no Brasil. Mas que refrigerante é esse, que chega a ser motivo de orgulho para os maranhenses e todo visitante é sempre convidado a provar? Para quem não é do Maranhão, o que mais chama a atenção é a cor. Se não estivesse em uma garrafa de refrigerante, poucos diriam que se trata de uma bebida. O nome também pode soar inconveniente. Mas, no Maranhão, para muitos que gostam de refrigerante, não se troca um copo de Guaraná Jesus nem por dois litros de Coca-Cola bem gelada. A maranhense Thenille Lutz, de 31 anos, é apaixonada pelo Guaraná Jesus. Apesar de morar em Fortaleza, em todas as férias volta ao estado para se deliciar com a bebida, que ela faz questão de afirmar ter uma essência toda especial de canela. “Na casa das minhas avós sempre teve Guaraná Jesus. Então toda vez que bebo, remeto à minha infância, à nossa família”, lembra. O sabor da bebida é um dos mais peculiares da indústria de refrigerantes. O Guaraná Jesus tem um toque especial de cravo e canela e é muito, muito doce. A fórmula exata tem uma aura de mistério. “Eu gosto porque sinto esse sabor, e não sabor de chiclete como muita gente diz. O zero caloria é mais gostoso ainda”, completa. Criado em 1927, num pequeno laboratório de São Luís, por Jesus Norberto Gomes, o refrigerante enraizou-se no gosto maranhense. O farmacêutico produzia medicamentos, como antigripais, por exemplo. Com o negócio próspero, Jesus decidiu adquirir máquinas gaseificadoras. Foi então que ele resolveu produzir águas gasosas e refrigerantes. O primeiro produto Guaraná Jesus tinha um sabor amargo e não agradou a maior parte dos degustadores. Depois de muitas misturas e degustações entre os amigos, Jesus Gomes conseguiu encontrar a fórmula de sucesso. “Obstinado, continuou as experiências, logo chegando à formula atual, muito bem aceita pela cor e pelo sabor”, explica o diretor de Marketing e Processos Comerciais da Solar Coca-Cola, Paulo Sérgio Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário