DIARIO DA ILHA: O fim da Putaria do Oscar Frota

.

.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

O fim da Putaria do Oscar Frota

A resistência do Oscar Frota, área próximo ao Portinho

 Por menor que seja a chuva, a área da Praça do Mercado Central fica alagada criando grandes transtornos para veículos, pedestres e, principalmente, para os comerciantes ali estabelecidos, prejudicando a movimentação, também, do mercado. Diante de tão grave problema, o poder público resolveu agir e deu início à desocupação da área da galeria, onde outrora foi o igarapé do Portinho, por onde navegavam embarcações oriundas da Baixada maranhense, que traziam para a capital produtos alimentícios originados do setor primário. A ação do poder público iniciou na área conhecida como Oscar Frota, em alusão ao comerciante do mesmo nome, estabelecido no local. Com o passar do tempo, em virtude de ter se tornado área de prostituição, recebeu a o nome “Xirizal”, evocando a denominação existente somente no Maranhão, da genitália feminina. Técnicos da Prefeitura de São Luís fizeram a retirada do Bar São Sebastião, que ali se instalou há 40 anos e expandiu sobre a galeria. O local foi limpo e causou grande apreensão entre as prostitutas, comerciantes e frequentadores. Elas temendo perder o local para “trabalhar”, os comerciantes preocupados com os prejuízos, e os frequentadores por não terem mais um local no Centro para suas diversões.

Clientela em baixa

Com o fechamento do Bar São Sebastião, os frequentadores do ambiente imaginaram que o Xirizal havia acabado e se afastaram. Com a redução dos clientes aconteceu a lógica diminuição da renda daquelas mulheres, aumentando-lhes a preocupação. Cada uma tem uma história que a levou a comercializar o próprio corpo, sendo mães solteiras e até donas de casa.
Danielle, 29 anos, faz “ponto” há mais de três anos, na região e lamenta que a sua renda diária tenha sofrido considerável baixa, que ela avalia em mais de trinta por cento. “Não tenho emprego e venho pra cá porque preciso. Sou mãe solteira e tenho um filho que depende de mim. Agora não sei o que fazer, pois não terei como ver mais os meus clientes”, afirmou. Danianne, 23 anos, está há cinco meses fazendo a “vida” no Xirizal. Ela lamenta a retirada do Bar São Sebastião. Ela disse que o proprietário a quem ela chamou de “Barbudo” era muito amigo e tratava as mulheres muito bem. “O bar dele era o principal porque ficava de frente para a Avenida Magalhães de Almeida e atraia muitos clientes. Nas segundas-feiras e sábados chegava a fazer quatro “programas” logo pela manhã e no final do dia, conseguia ganhar até R$ 400,00. Tenho filhos para sustentar e como não tenho emprego, venho fazer  “programa”.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário